Canola com caviar - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           ARTIGOS

Canola com caviar

Artigos

Gê Moraes
Uma coisa digo agora: quem não fica vai embora. Fui. A coisa já não flui como nos tempos atrás. Já era, agora não é mais.

- Ei, acorde e me explique o que está havendo, pois não me é dado entender o teor da sua fala.

- Pergunto: o que foi feito daquele estro, daquela generosa inspiração, que de repente, quando se pensava que não, explodia em prosa e verso e inundava de primores os rigores do universo? Em que beco se meteu aquela fecundidade que outrora dava à luz um belo texto e uma poesia a cada hora do dia? Morreu, feneceu como as perdidas ilusões, os sonhos desfeitos que foram ficando à margem das alamedas, cansados, desanimados, vencidos pelas intempéries do tempo e pelas renhidas batalhas travadas ao longo da vida.

- Agora que a ficha caiu e já me é dado entender o que você anda a dizer, peço que pare. Pense e tenha calma, pois, ainda que uma espessa nuvem paire sobre o viver da gente, ela não é permanente, logo se dispersa e o sol volta a brilhar, como essa luz que brilha agora em seu ser e, que você, espicaçado – quem sabe – por algum espinho, não consegue perceber. Não faça isso! Levante, cante e plante, porquanto, ainda há muitos cantos a serem cantados e um monte de sementes a serem plantadas no fértil solo da sua criatividade.

- Obrigado pelas suas palavras de ânimo. É muito legal saber que ainda há gente que se apraz em erguer o astral da gente. Valeu caro e bom amigo meu. Vou recobrar o ânimo e tocar o barco em direção ao porto, mesmo porque, ainda não estou morto. Ou será que estou e me esqueci de deitar?

- Vire essa boca pra lá! Como é que alguém cheio de vida para ser vivida pode liberar tal disparate como um cachorro que late?

- Epa! Pode parar meu irmão, pois, do cão só tenho o faro e ele está a me cutucar o nariz adoidado, informando que o tempo de parar é chegado, mas antes peço um tempo para convidá-lo a degustar uma generosa porção de caviar, que por ser manjar de requinte, não dá menor bola pra canola, que por seu turno, não está nem aí, esnoba o caviar e se vangloria de ser semente que produz um óleo de altíssima qualidade, com baixo teor de gordura saturada e alto de monoinsaturada, além do Ômega 3, que atua na absorção da gordura e melhora a taxa de colesterol no organismo. Como se vê, canola com caviar não dá liga que dê conta de colar.

Gê Moraes é cronista

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone