Pela paz - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           EDITORIAL

Pela paz

Editorial

Ao levar a Audição da Paz à mesquita da Sociedade Cultural Beneficente Islâmica de Mogi das Cruzes, no Alto do Ipiranga, os integrantes do Coral 1º de Setembro contribuem, na prática, com algo que Mogi das Cruzes deve incentivar e reconhecer: o congraçamento entre as pessoas de culturas e religiões diferentes.

Em sua nona edição, a apresentação de hoje à noite, de um tradicional grupo de música mogiano, num dos mais belos templos mulçumanos do Brasil, tem um efeito real na construção de caminhos possíveis para se conquistar a cultura da paz, que começa com a aceitação das diferenças entre as pessoas.

A mesquita foi inaugurada em 2003 e transformou-se num dos principais registros arquitetônicos e históricos da presença de imigrantes de países árabes em Mogi das Cruzes e Região. A presença do tradicional Coral 1º de Setembro destaca a presença da sociedade islâmica na cena cultural e social da Cidade, num momento em que esse grupo de famílias têm exercido um papel importante no acolhimento de famílias de refugiados, vítimas de guerras religiosas e civis que escolher o Brasil como nova morada. A Mesquita, aliás, foi o primeiro endereço visitado pelos refugiados que aqui começaram a chegar na década passada.

A busca pela paz move a história da humanidade para o entendimento de tudo o que nos acontece nas relações humanas, nos microuniversos onde elas acontecem – em casa, no trabalho, na rua, na cidade, no país.

É um dos artigos de luxo desde que o homem desenvolve a comunicação para garantir a própria sobrevivência e descobre como é difícil respeitar as diferenças entre si e os seus pares.

No livro Ensaios sobre o Conceito de Cultura, o sociólogo polonês Zugmunt Bauman (1925-2017) afirma que “a sociedade e a cultura, assim como a linguagem, mantém sua distinção –‘ sua identidade’ – mas nunca é a mesma por muito tempo, ela permanece pela mudança”. Interessa destacar que a construção da sociedade e da cultura possui momentos como esse, pautado pela decisão dos dirigentes do Coral e da Mesquita de promover uma audição sobre a paz, num local que tem atuado para promover a paz e o abrigo a quem sentiu na pele os efeitos devastadores do desentendimento, da discórdia e das guerras.

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone