Um artista em constante evolução - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           CIRCUITO

Um artista em constante evolução

Circuito

Fabricio Costa começou a produzir com óleo sobre tela, partiu para o acrílico e agora investe em aquarela. (Foto: Eisner Soares)

Fabricio Costa começou a produzir com óleo sobre tela, partiu para o acrílico e agora investe em aquarela. (Foto: Eisner Soares)

Fabricio Costa até tentou fugir de suas aptidões, mas não conseguiu. Apaixonado pela arte plástica, foi entre os 14 e os 15 anos que o mogiano teve seu primeiro contato com a pintura. Dona Nair, uma amiga da família, pintava e sempre aconselhou o jovem garoto a fazer o mesmo. Entretanto, incentivado pelos pais, foi em busca de uma profissão mais concreta do que o mundo das artes. Em 2003, se formou em Direito. Porém, nunca chegou a exercer. Ele não desistiu do que realmente gostava e, paralelamente à pintura, conheceu o design de interiores. Começou a exercer a profissão, não parou mais e procurou uma especialização. Há dois anos se formou no curso superior, pela Escola Panamericana de Arte e Design.

O trabalho artístico de Fabricio sofreu transições com o tempo. Hoje, aos 37 anos, ele comemora 20 anos desde que teve a primeira oportunidade de mostrar suas peças. Tudo começou com o óleo sobre tela, depois o mogiano partiu para o acrílico. Há pouco mais de um ano, sua arte encarou uma nova mudança. Foi durante um trabalho social que ele resolveu que faria um presente manual. Fez um cartão em aquarela e se apaixonou pela modalidade. Hoje, seus trabalhos são todos feitos desta maneira. O artista foi autodidata e aprendeu a nova modalidade sozinho, baseado em toda a bagagem que já tinha.

Quando começou a pinta por encomenda, logo no início de sua carreira, os clientes recebiam seus quadros e pediam para que Fabricio desse alguma opinião, sobre em qual posição ele achava que a peça ficaria melhor posicionada. Com isso, ele foi se aproximando cada vez mais do design de interiores. Além disso, tinha o costume de sempre mudar os móveis de sua própria casa de posição. Já familiarizado com a profissão, começou a vender seus projetos, mesmo que ainda não fosse formado. Hoje, com a profissionalização, o mogiano continua pintando e tem ainda, em São Paulo, o escritório FC Arte Design. Em Mogi, também realiza alguns projetos, mas trabalhando de sua casa.

Para as artes, Fabricio planeja realizar algumas exposições durante o ano que vem. Mesmo ficando mais por São Paula, garante não esquecer da Cidade e pretende colocá-la na sua agenda de mostras. Repertório, inclusive, não falta. Ele conta que muitas vezes está inspirado e cria novos quadros dos mais variados temas possíveis.

Além dos pinceis, outro companheiro inseparável de Fabricio é seu cão da raça golden retriver, chamado Zork. O artista plástica leva o amigo peludo para muitos lugares que vai, além de gostar de o levar para passear no Parque Centenário. (Larissa Rodrigues especial para O Diário)

Viver em Mogi é… Ser mogiano. Adoro minha cidade com tudo que ela tem de bom e de ruim também. Não permito que falem mal!

Curto-Circuito

O melhor da Cidade é… Ter tudo perto



E o pior? São o trânsito e os buracos. Infelizmente vejo que a Cidade cresceu muito com pouco planejamento sem contar a falta de vias expressas.

Sinto saudade… De meu pai que partiu há mais de 5 anos. Ainda tínhamos muitas experiências a compartilhar.

Encontro paz de espírito… Quando faço trabalho voluntário.

Pra ver e ser visto… Então… Prefiro ficar quieto no meu mundo.

Meu prato preferido é… Arroz, feijão, bife, um jiló e a salada da minha mãe

Livro de cabeceira… O evangelho segundo Allan Kardec

Peça campeã de uso do meu guarda-roupa? Camisa branca…

O que não tem preço? Entregar um trabalho e meu cliente ficar feliz

Uma boa pedida é… Acordar cedo sempre, caminhar pelo Parque Centenário com meu cão e ficar em casa



É proibido… Usar drogas. Respeito quem faz uso, mas não quero próximo de mim.

A melhor festa é… Com meus poucos amigos e um bom vinho.

Convite irrecusável… Conhecer galerias, “pulgueiros” de antiguidades, móveis e design.

O que tem 1001 utilidades? Proatividade

Meu sonho de consumo é… Fazer um mochilão sem ter tempo pra voltar…

Qual foi o melhor espetáculo da minha vida? Os mais simples foram os mais valiosos sempre! A simplicidade traz paz e alegria.

Cartão-postal da Cidade… É chegar no topo da Mogi-Dutra voltando pra casa e dizer: Graças a Deus!

O que falta na Cidade? Cesto de lixo. Fico indignado com lixo na rua.

Qual é a química da vida? “Fora da caridade não há salvação”

Deus me livre de… Não conseguir trabalhar com arte e design de interiores. Minha maior felicidade!

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone